• Veridiana Lopes

Reserva de emergência: você tem a sua?

Se você parasse de trabalhar hoje, por quanto tempo poderia manter o mesmo padrão de vida?



Essa é uma pergunta clássica na educação financeira. E ela mede o seguinte: se acontecesse algum imprevisto, você tem uma segurança financeira?

Vamos falar hoje da famosa reserva de emergência, ou reserva de segurança como alguns gostam de chamar.

E como o nome diz, deve ser apenas usadas em emergências. Desemprego, quebra do carro, remédios urgentes e caros... E não para viagens, roupas ou supérfluos.

Claro que a decisão final será sempre sua. Mas que fique claro: você estará se sabotando. Se acontecer uma emergência, é aquela "brusinha" que vai resolver? (Ih, nem avisei que iria doer. Mas é para seu bem!)



Eu explico com detalhes neste vídeo aqui:



Como montar a sua



1. O primeiro passo é saber quanto juntar

  • Se você é CLT ou funcionário público, o mínimo são 3x o seu salário e o ideal 6x.

  • Se você é autônomo ou empreendedor, o mínimo são 6x, e o ideal 12x da sua média de ganhos.

2. Onde investir?

  • Fica a seu critério. Mas tem que ganhar da poupança! Recomendo tesouro selic ou CDB de liquidez diária a 100% do CDI. (Falei grego? Aqui tem tudo explicado!)

  • Deve ser uma aplicação com liquidez diária, ou seja, você pode mexer sempre que necessário.

3. Comece a poupar!

  • Não tem problema deixar um pouco na poupança, enquanto estuda sobre investimentos. O importante você criar o hábito de poupar. Mas não se sabote: ele é apenas para emergências!

Esse é um dos primeiros passos para construir sua estabilidade financeira.


Ficou alguma dúvida? Pode me mandar!


Lembre-se: você não precisa parar de viver para economizar. Você só precisa fazer escolhas inteligentes e de planejamento, para que caiba no seu bolso.

Bom, o que você quiser.

Até a próxima,

Veri!